domingo, 31 de agosto de 2014

Caminhando para dias melhores



Esta semana confesso que fiquei comovido ao ver uma mãe que exigia que a sua filha caminhasse mais rápido do que conseguia.
A criança por não ter condições físicas para acompanhar os passos da mãe, parecia cada vez mais exausta e distante, pondo-se a chorar diante daquela angustiante situação de abandono físico e afetivo.
Uma mãe com dificuldades para lidar com incentivos e limites e criar possibilidades felizes com a sua filha. Ambas estavam sofrendo com aquela situação.
Fui ao encontro dela. A princípio ela ficou um tanto reativa e na retaguarda com relação a minha aproximação, porém ao perceber que meu objetivo não envolvia críticas ou censuras soltou-se e pudemos sentar e conversar por quase uma hora.
Logo que a mãe parou em função da minha aproximação já fiquei feliz por ter percebido que a criança teve tempo suficiente para alcança-la, agarrando-se a suas pernas. Parecia aliviada, pois parou de chorar e seus olhinhos ganharam um outro aspecto. Confesso que eu também respirei mais aliviado, pois estava muito apreensivo diante da cena e da reação que a mãe poderia ter com relação a minha abordagem.
Era nítida a disponibilidade daquela angustiada mãe em favorecer aquela conversa, ela estava disponível para o diálogo, para a melhora e isso me deixou esperançoso quanto a evolução para um final feliz.
Chorou muito, revelou-me algumas coisas a respeito de seu momento atual de vida e da percepção que tinha quanto ao fato de que aquelas questões acabavam repercutindo em muitas outras pessoas inclusive em sua amada filha. Falou-me de seus objetivos de mudanças, do quanto exigia de si mesma mais do que podia dar conta e de seus passos sofridos além de suas possibilidades, exatamente como cobrava de sua adorável menina.
Limitei-me a ouvi-la e apoia-la em seus desejos de mudanças, pois parecia muito necessitada quanto a isso. Coloquei-me a disposição para ajudá-la caso necessário, e foram-se.
Fiquei comovido com tamanha credibilidade e com as possibilidades daquela mãe para consigo mesma, para com sua filha e para uma nova vida bem mais feliz.




sábado, 30 de agosto de 2014

A grande questão



A questão não está na beleza, no ter ou no poder, mas sim quando tais situações se apresentam “sem afeto”, pois é o exato momento em que a beleza vira transtorno, o ter vira escravidão e o poder destruição.


sexta-feira, 29 de agosto de 2014

João valente, João valentão



Bate, bate a picareta
A terra é dura na caatinga
A frente de trabalho, abate João
O dia termina
A criança choraminga, fica ranheta
A fome nunca termina
A calma vem pelo bico da chupeta
Marieta acende o fogão
No caldeirão a água esquenta
Pra alguns poucos grãos de feijão
João cansado põe o pé na estrada
Retorna para casa sob a luz do lampião
Vem...João valente!
Pro seu filho, pra Marieta, vem...
João valente,  João valentão



Vermelho Fatal


Assistam neste blog através do link:

http://joaoazeredo.blogspot.com.br/2014/04/titulo-vermelho-fatal-classificacao.html

Título: VERMELHO FATAL

Curta Metragem: 13min38s. 
Gênero: Drama
Estrelando: Izildinha Costa
Direção: José Luis Bednarski
Produção: Izildinha Costa, João de Azeredo Silva Neto, José Luis Bednarski e Mateus Santos Guimarães
Roteiro: João de Azeredo Silva Neto
Sinopse: Gigi quer apenas ser feliz, mas para tal terá que vencer um grande monstro. Seus conflitos psíquicos são tormentos invisíveis a lhe tirar a paz. Sua grande batalha apenas começou.
BRA2012
Copyright dos produtores










quarta-feira, 27 de agosto de 2014

“Das Letras”


Quem é “das letras”,
letreiro não é.
Letreiro tem letras,
até sopa tem.
Sentimentos tem letras,
os “das letras” também.


A mentira e o oportunismo


Triste daqueles que se utilizam da mentira e do oportunismo para obterem algo, pois quem do mal se vale, no mal está.
Estes sãos os recursos que os impotentes se utilizam para manter-se em seu amargo vício da ilusão.


quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Frases



Fico realmente muito indignado com certas frases que vejo por aí, como a do tipo: “Deus é fiel”.
Se Deus realmente for a essência plena do amor, para mim a frase soa como: “a água é molhada”.
Mas uma coisa a frase me certifica: “o obvio chega mais cedo ou mais tarde a todos, mesmo que para alguns demore um pouco mais”



sexta-feira, 8 de agosto de 2014

“BICHO PAPÃO” dando a lição



Quando eu era garoto noites de sono eu perdi,
com medo de “FANTASMAS”,
de “MULA SEM CABEÇA”
e do danado do “SACI”.
O tempo foi passando, passando... até que percebi,
que desses males não morri.
Que fantasias são mesmo assim!
As vezes dão muito medo, são muito sofridas
mas, se entendermos suas mensagens,
vão amaciando-nos carinhosamente quando criança,
para não sermos adultos sovados pela vida.



Homenagem do autor a seus filhos João Eduardo e Luis Gustavo, aniversariantes deste mês de agosto.  (mês do rico "Folclore Brasileiro).




Seguir por Email

Translate

Total de visualizações de página

Estatísticas