domingo, 26 de abril de 2015

Tá quente, tá frio



Aquele vestido de tecido fino
Solto sobre a pele
Insinuava, buscava...
Excitava

Eu despia aquele corpo
E aquele corpo...os meus pensamentos
Sabíamos disso, é claro
Fazia parte do momento

Um corpo buscando um olhar
E um olhar correspondendo ao corpo
Brinquedo de corações que se desejam
Antigo jogo do “tá quente, tá frio”

O fio fino e suave do algodão
A transparência do vestido de condão
Pouco a pouco estimula a trama
Até nocautear os incautos amantes


segunda-feira, 13 de abril de 2015

Charmosa

  

Pra rosa meu sim
Jogou charme
Perfumou
Encantou
Ela é "muiiito" pra mim!


sexta-feira, 10 de abril de 2015

Todo bobo



Ah margarida!
Perfuma o meu jardim
E me deixa bobo assim



Dura dor

  

Mel de abelha
Boca vermelha
Beijinho é doce
É o meu amor

Linda menina
Vestido de alça
Tão vaporosa
Pra minha dor

Memória aviva
Ativa centelhas
Lembranças vivas
Do seu calor


quinta-feira, 9 de abril de 2015

Aquarela



Um coração feliz
Não guarda raiva na goela
Um coração Aquarela
Pleno de cores
Preta, azul, branca, amarela
Difícil escolher
Pois são todas tão belas



quarta-feira, 8 de abril de 2015

Coração fechado



Hoje fechei meu coração
Alegria, emoção
Com você, é claro!
Para o lado de dentro do meu portão



Correio de pétalas



Pétalas ao vento
Leva o meu tormento
E para o meu alento
Traz-me de volta a paz



Amor ou loucura minha?



Linha tão fina...
Amor ou loucura minha?
A noite termina...
Meu coração definha
Falta o seu coração...

Mesquinha madrugada de trevas
Erva daninha dos apaixonados
Necessitados de um relógio parado
Que aprisione no tempo
Um impossível coração alado


Ninho de mafagafinhos



Este lugar é um grande ninho
Ninho de mafagafinhos
Nada de compromissos
Nem com a comprovação dos fatos
Nem com a ordem da história

É momento pra “coisa de pele”
Coisas de calor
Romance, suor
Solta, sinta...
É momento de emoção

Não é o momento para briga
Nem pra discutir a relação
Olha pra mim, fica aqui pertinho
Mais colado, isso...bem juntinho
Agora, vamos só trocar carinho...

Sem entrevero
Sem mais delongas
Nem placas de contramão
Um pro outro, o outro pro um
Hummm...gostoso, né?


O tempo é agora!



Bico caído
Cara amarrada
Pernas travadas
Fechadas...
Tempo passando
A vida amargando
Podes crer...
Não vale a pena!
Os dentes caem
Artrite grita
A coluna empena
Remédio aumenta
Não vale a pena!
Mudança há de vir
Sem demora
Agora!
Se deixar...
Não espere que vá melhorar
O tempo piora...
O tempo é agora!


terça-feira, 7 de abril de 2015

Tô medão!



É noite...
Papai tô medão!
Fica tranquilo meu filho
Levante as mãozinhas e faça uma oração
Depois diga com convicção:
Saí bicho papão! 
Papai não quer você aqui não


sábado, 4 de abril de 2015

Ensaio


"Ensaio"
material utilizado: lápis e papel A4

Autor: João de Azeredo Silva Neto


A catinga do “Aquilo”



Numa certa cidade de um certo país se deu um inusitado fenômeno.
Algo que veio do céu, não se sabe de onde, caiu exatamente no marco zero daquela cidade, com incrível precisão.
Tal foi a velocidade e a violência do impacto que fixou-se no chão de cimento grosso, como se tivesse nascido ali.
As pessoas passavam de lá pra cá pisando sobre “aquilo” sem qualquer percepção ou conhecimento no que realmente estavam pisando.
“Aquilo” tinha uma cor prata-luminosa e um poder extraordinário de manchar o que nele tocasse. Esses também quando tocados em outros lugares também transmitiam a mesma mancha, como um carimbo a carimbar continuamente sem perder a tinta.
Desta maneira “aquilo” acabava sendo levado para muitos lugares.
Em pouco tempo os clones de “aquilo” já estavam presentes nos mais variados tipos de objetos, como na pele das pessoas.
Aquela mancha passou a pertencer ao cenário daquela cidade e outras mais, com a mesma cor e forma do “aquilo” original, localizado no ponto zero.
A cor e o brilho do “aquilo” só era perceptível no escuro, então a noite as cidades pareciam repletas de vaga-lumes.
No início as pessoas achavam “aquilo” uma graça por ser brilhante, porem rapidamente virou um pavor porque as carimbadas não saiam com nenhum tipo de tira manchas.
Em menos de dois meses os jornais, revistas e canais de TV passaram a explorar o assunto de tal forma que “aquilo” já tinha repercussão internacional.
Não se falava em outra coisa.
Empresas interessadas no poder daquela tinta, organizações científicas, empresas químicas, e o próprio governo; passaram a pesquisar as propriedades daquele material desconhecido.
Foi montado um forte esquema para que “aquilo” não se espalhasse para outros locais. As pessoas só podiam deixar as regiões que moravam após minuciosa revista em câmara escura.
Por mais que as autoridades tentassem conter aquela contaminação, “aquilo” estava fadado a marcar o mundo.
Para uns “aquilo” representava possibilidades de rentáveis negócios, para os já marcados uma perdição.
Como desgraça sempre vem acompanhada de mais desgraça o pior ainda estava por vir. Pouco mais de sessenta dias da queda do insólito material, tudo que era orgânico e foi carimbado por “aquilo” passou a ganhar um cheiro desagradável.
No início um pequeno odor, que as pessoas não sabiam distinguir do que era e nem de onde vinha.
Da mesma maneira que “aquilo” se propagou com imensa rapidez, com o odor não foi nada diferente. Com setenta dias a evolução do odor já tinha ganho o status de catinga horrorosa.       
O cheiro já havia se alastrado para diversas cidades.
Afinal de contas, de onde veio “aquilo”, o que era “aquilo”, como se propagava, como conter e dar um fim em “aquilo”?
Essas eram as perguntas que todos faziam.
A falta de uma explicação estava levando a todos ao desespero, pois com o passar dos dias, a catinga cada vez mais aumentava.
Muitas soluções foram pensadas, desenvolvidas e rejeitadas.
Uma das primeiras veio das indústrias químicas e de cosméticos. Desenvolveram um potente perfume que sobrepunha o cheiro da catinga. Parecia um desses atuais aerossóis que quando são aplicados no banheiro deixam a casa toda com um peculiar cheiro de “caca” perfumada. Foi um desastre, pois a catinga ficou mais evidente. Desta forma a invenção foi rejeitada pelos consumidores.
Outra ideia proposta pelos cientistas foi quanto ao desenvolvimento de uma vacina que neutralizasse as células olfativas a perceberem aquele odor. Não deu certo!
Houve também uma radical, vinda da parte dos pessimistas, que era o de condicionar as pessoas a se acostumarem com aquele odor até que ao longo de milhares de anos, sentissem com naturalidade o odor de “aquilo”.
Posteriormente foi desenvolvido um creme espesso, até parecia uma película plástica sobre a pele, que sobrepunha a carimbada do “aquilo” e impedia a propagação da catinga.
E não é que deu certo?
Uma maravilha!
Até os animais eram besuntados de creme.
O creme tinha um bom tempo de duração, porem as pessoas tinham que reaplicar após o banho.
Essa questão trouxe uma significativa mudança nos hábitos de higiene, pois ficar sem o creme durante o banho era de amargar e reaplica-lo era de amargar também.
Foram então desenvolvidas máquinas caseiras e de grande porte para aplicação coletiva.
As indústrias de cosméticos estavam ganhando rios de dinheiro.
Embora a solução ainda fosse paliativa, para alegria da população a melhora da catinga foi significativa. Os resistentes ao uso eram detidos e confinados até que aceitassem o uso. Assim foram criados grandes centros de confinamentos e campanhas de adesão em prol da erradicação de “aquilo” e seu terrível odor.
O tempo foi passando, pesquisas eram efetuadas até que veio um produto que parecia ser a solução definitiva. Um modesto, porem eminente cientista, prof. Salvatore Emergenti, funcionário de uma pequena universidade italiana, descobriu que “aquilo” não era de origem terrestre mas que reagia de maneira rápida e terrível com o DNA dos seres vivos terrestres. Assim ele conseguiu desenvolver um produto que aplicado nas pessoas e objetos desfazia plenamente a ação de “aquilo”, não só do odor, mas também de sua peculiar cor prata-luminosa.
O produto foi um sucesso, um frenesi.
A melhora era plena e estava em ritmo galopante.
Somente a partir daí é que começaram a perceber que havia apenas uma cidade, que mesmo com a aplicação do salvador produto, “aquilo” ainda persistia.
A cidade foi totalmente isolada e só podia sair daquele local quem recebesse a aplicação do produto.
Pesquisadores foram para o local. Sabiam que estavam bem próximo da descoberta de algo importante para a erradicação de “aquilo”.
O cerco foi se fechando até que chegaram no ponto crucial do problema. O marco zero daquela cidade. O local que seria o princípio e o fim de “aquilo”, onde a “caquinha celeste” escolheu cair e morar, para fazer toda aquela “cacona terrestre”.
Aguardaram o anoitecer e tão logo o sol foi desaparecendo, “aquilo” ia reluzindo com a sua cor prata-luminosa.
Momento vibrante para toda comunidade científica.
A ideia era primeiro observar e depois borrifar “aquilo” com o produto criado, para extermina-lo de vez.
Foi dada a honra ao cientista que conseguiu desenvolver aquele miraculoso produto, para olhar e examinar “aquilo” de perto.
Palmas e gritos de vivas foram feitas ao prof. Salvatore. Uma saudação realmente de emocionar.
Ele pegou uma lupa e comentou com seus colegas:
- Come può qualcosa di così piccolo hanno fatto il danno immenso?
Agachou-se, foi se aproximando e observando “aquilo”.
O silêncio sepulcral e o momento repletos de expectativas e ansiedades.
Quando já estava muito próximo de “aquilo” ouviu-se um: psiuuuu! Muito tímido, fraquinho, quase que inaudível.
Seria “Aquilo” um alienígena tentando uma comunicação com o prof. Salvatore e não uma mancha maligna qualquer de cor prata-luminosa como se imaginava?
Instintivamente e no afã de melhor ouvir, o professor levou o ouvido bem próximo de “Aquilo”.
Todos que ali estavam ficaram muito perplexos com aquela nova situação.
O prof. Salvatore ficou por volta de uns dez minutos somente a escutar os cochichos de “Aquilo”. Ora balançava a cabeça como que concordando, ora balançava a cabeça como reprovando, porem sem dizer uma única palavra.
Num determinado momento, para surpresa de todos e quebrando aquele impactante silêncio, o prof. Salvatore deu uma imensa gargalhada e caiu duro ao chão com a orelha bem sobre “Aquilo”.
Correram ao seu auxílio e ao levantar a sua cabeça uma exclamação unânime de: “ooooohhhhhhh”, se ouviu daquela plateia quando perceberam que “Aquilo” não estava mais no chão.
Teria “Aquilo” se alojado dentro do ouvido do pesquisador? Teria sido “Aquilo” a “causa mortis” daquele pobre homem, mártir da ciência?
Somente passado o elemento surpresa, foi que os pesquisadores se voltaram ao nobre colega. Por incrível que pareça e felicidade de todos, o velhinho ainda vivia.
Gritos de ambulância, correria pra lá e pra cá, métodos de respiração boca a boca, massagem cardíaca, e o danadinho chegou, em estado de choque, mas chegou com vida até o hospital.
Os dias foram se passando e enquanto ele ia se recobrando do trauma, uma junta médica estava à cata de “Aquilo”.
Equipes médicas faziam turno no ouvido do prof. Salvatore procurando pelo paradeiro de “Aquilo”.   
O que se concluiu é que nada ficou concluído pois “Aquilo” continuava desaparecido.
O agora famoso e condecorado cientista foi melhorando até que teve alta.
O único problema é que ele até este momento não consegue lembrar-se de nada do que aconteceu naquele dia, e muito menos do que ouviu do “Aquilo”.
A única certeza que se tem é que o prof. Salvatore Emergenti se aposentou e vive feliz da vida num delicioso e elegante resort numa ilha paradisíaca no Caribe.  
O que não se sabe é se quem vive no Caribe é realmente o professor ou se o “Aquilo”.


Seguir por Email

Translate

Total de visualizações de página

Estatísticas