segunda-feira, 22 de junho de 2015

Atores malditos




Ao longo da minha vida venho conhecendo certas pessoas com uma capacidade dramática de representar uma afetividade que não possuem, que até Shakespeare certamente ficaria boquiaberto com tais atuações.


segunda-feira, 15 de junho de 2015

Epitáfio



"Sarau do Dia dos Namorados" da Academia Jacarehyense de Letras com muitos amigos presentes
Momento delicioso de descontração
"O que fica da vida é a recordação agradável de deliciosos momentos, os amigos, a família e tudo que construímos com amor, o resto…é apenas o resto e nada mais"

Vocal: João Azeredo
Piano Digital: Raquel Bigareli e Marly Ferreira

Música: Epitáfio (Titãs)


Velha Infância



"Sarau do Dia dos Namorados" da Academia Jacarehyense de Letras com muitos amigos presentes
Momento delicioso de descontração

Música: Velha Infância (rememorando os preciosos Tribalistas) 

Vocal: Dinamara Osses e João Azeredo

Piano Digital: Raquel Bigareli e Marly Ferreira











domingo, 14 de junho de 2015

Casinha Branca



"Sarau do Dia dos Namorados" da Academia Jacarehyense de Letras com muitos amigos presentes
Vocal: Dinamara Osses, João Azeredo, Raquel Bigareli e Marly Ferreira
Piano Digital: Raquel Bigareli e Marly Ferreira
Música: Lá no Pé da Serra
Autor: Elpídio dos Santos




sexta-feira, 12 de junho de 2015

Batalhas



Todos os dias visto a minha armadura, uma pesada armadura, que me protege e me põe seguro dos cavaleiros errantes. Aparecem do nada, com seus malditos sabres brilhantes e desferem golpes mortais.
Minha armadura é fulgurante e feita do mesmo aço de Damasco de minha espada, possui um dragão negro, bordado bem no meio do peito.
Não adianta o inimigo tentar atingir o meu coração com as suas flechas cortantes, pois certamente o meu escudo também fara barreira.
Os reis estão a salvo nos palácios, mas sinto-me seguro com essas proteções, porem as mesmas que me mantêm em pé, me fazem sentir o duro fardo que tenho que carregar.
Os confrontos são pesados, sangrentos e muitos sucumbem no campo de batalha.
Sinto a todo instante a força da morte iminente.
Quando retorno de um grande confronto, estou no limite e sinto-me quase que sem forças.
Minha armadura, minha fé e convicções me trazem ileso pra casa, para me deliciar ao lado da minha linda e amada donzela.


quarta-feira, 10 de junho de 2015

Angélica em noite de carnaval


"Angélica em noite de carnaval”
Material utilizado: giz pastel e papel cartão
fevereiro/1990

Autor: João de Azeredo Silva Neto



terça-feira, 9 de junho de 2015

Flores


"Flores”
Material utilizado: bico de pena, nanquim e papel verge
dezembro/1997

Autor: João de Azeredo Silva Neto




Caravela



"Caravela”
Material utilizado: acrílico e papel verge

fevereiro/1987

Autor: João de Azeredo Silva Neto



segunda-feira, 8 de junho de 2015

"Bença Pai – Bença Mãe”


"Bença Pai – Bença Mãe”
Material utilizado: giz pastel e papel verge

janeiro/1999

Autor: João de Azeredo Silva Neto


Estação Ferroviária de Eng. Martins Guimarães - SJCampos/SP


"Estação Ferroviária de Eng. Martins Guimarães”
SJCampos/SP"
Material utilizado: giz pastel e papel verge

fevereiro/1999

Autor: João de Azeredo Silva Neto



Ponto Pronto


"Ponto Pronto"
material utilizado: giz pastel e papel verge

janeiro/1999

Autor: João de Azeredo Silva Neto



domingo, 7 de junho de 2015

Não temas



É noite...
O silêncio virá
Não temas
Ouça apenas o que o amor vai falar
Nada mais...
Somente o que o amor vai falar
Quando estiver preparada
As palavras virão ao pensamento
Trazendo amparo ao coração




sábado, 6 de junho de 2015

Sem moderação



Já li frases assim: use com moderação, coma com moderação, recomenda-se moderação, beba com moderação....
Entre as tantas coisas maravilhosas da vida, acredito que “o amor” só pode ser validado com a intensidade plena, sem restrições.
O “amor” não combina com uma miserável doação de afetos, nem com bocadinhos, nem com a mesquinhez de sentimentos.
Se realmente é “amor”, então se entregue sem moderação.


sexta-feira, 5 de junho de 2015

Noites de inverno




Biriba, doce e quentão
Quadrilha de São João
Noites de festas de inverno
Namorar com você é tão bom


O peso das havaianas



Hoje eu ia pela calçada quando vi uma mulher se pesando numa farmácia.
Aquele imenso painel digital marcava 76 quilos e 400 gramas. Bom, até aí tudo bem, não há motivo para estranheza.
O que achei muito engraçado foi ver o seu par de chinelos havaianas “arrumadinhos” do lado de fora da balança.  
Dizem que a esperança é a última que morre e hoje pude confirmar que é verdade, quando vi aquela mulher acreditando piamente que sem aqueles chinelos pudesse ficar significativamente mais leve.


Triste realidade


Com muito sacrifício Dona Clotilde comprou um bolo para comemorar o aniversário de seu filho Belitardo, que além de estar completando vinte e dois anos, também acabara de concluir a faculdade.
No momento de apagar a única velinha disponível, sua mãe solicitou que fizesse um pedido com bastante devoção.
Os amigos e vizinhos em volta da mesa, Belitardo pensou, pensou e como não se decidia sua mãe o estimulou:
- Vamos Belitardo, um desejo muito importante pra você que acabou de concluir o seu curso!
- Tenho vergonha de falar mãe.
- Que nada meu filho, fala pra gente. A mamãe promete que vai te ajudar e todos aqui vão torcer para que o seu sonho se realize.
Belitardo todo acanhado solta o verbo:
- Quero ser um “super-homem” mãe, igualzinho da televisão.
Os adultos ficaram mudos e a criançada despencou a rir.
Dona Clotilde mais do que depressa foi ao encontro do filho dizendo:
- Meu filho para com brincadeira, vamos lá, qual é o seu sonho?
- Juro mãe, eu quero ser um “super-homem” com capa, cinturão e aquele uniforme bonito.
-  Para com isso “menino”! Esse “super-homem” da televisão é de faz de conta meu filho, igualzinho o Curupira e o Saci Pererê. Não existem de verdade!
- Existem sim mãe, um monte de gente já viu o Curupira e o Saci também.
- Isso é historinha pra criança e você já é um “hominho”, formado!
A maior parte da galera aguardava silenciosa o desenlace daquela situação, mas como em todo lugar sempre tem algum engraçadinho, não tardou para alguém dizer:
- Eu não vou torcer de jeito nenhum para que esse sonho se realize.
- Vai que o garoto de uma topada numa pedra de kryptonita!
- Isso seria um desastre pro rapaz.
Dona Clotilde no auge do desespero, achando que o filho teve um surto e na busca de uma solução resolveu embarcar nessa ideia.
- É mesmo filho o pessoal tem razão! Você sendo gente comum como é, não precisará ter medo de kryptonita. Além do mais a mamãe não pode manter uma promessa que prejudique o seu futuro. Vamos lá escolha outro desejo que bata com o que você estudou.
- Então está bem mãe, deixa eu pensar! Ah...já sei, eu quero ser o Mandrake, ele faz cada mágica bacana pra caramba.
- Caramba digo eu meu filho! Afinal de contas todo esse tempo e dinheiro investidos foram pra essa universidade só te ensinar a viver de fantasias?


segunda-feira, 1 de junho de 2015

Quanto buraco sô!


Um amigo meu, o Zezinho, me contou uma história de impressionar.
Disse que foi visitar a sua cidade natal, aqui mesmo no Brasil, e que o local que tantas vezes brincou com os amigos quando criança está infestado de buracos.
Com tristeza no coração falou que esses buracos já levaram para o fundo majestosos pés de cerejeira, cedro, mogno, jequitibá e outros mais, agora alguns espertalhões estão criando bois no local.
Dias depois encontrei com um outro amigo, Toninho, que para a minha surpresa me veio com uma outra história semelhante.
Contou-me que estava contente por ter conseguido se aposentar depois de tantos anos de trabalho duro. No dia que foi receber a sua merreca, não é que o mesmo fenômeno surgiu e levou o seu dinheiro e de mais uma porção de aposentados!
Passados mais alguns dias encontro com o Manezinho, outro amigo meu. Comprou uma casa com um sacrifício danado por um plano habitacional popular, uma montoeira de prestação pra pagar e não é que um buraco atingiu a sua casa e deu umas trincas horrorosas nas paredes. ?!
Eu já estava bastante apavorado com todas essas notícias e acabei encontrando o Seu Epaminondas, meu vizinho.
Fazia um tempão que ele necessitava de uma cirurgia e há meses tentava uma vaga no serviço de saúde, até que conseguiu. Acreditem ou não, mas na véspera da cirurgia um outro buraco engoliu o posto de saúde todinho e agora sabe-se lá quando irão remarcar a cirurgia do coitado do Seu Epaminondas. Nem remédio para ir se aguentando até a cirurgia ele está conseguindo. Espero que ele suporte essa situação.
O filho dele há pouco conseguiu um emprego e pensou em ajuda-lo com um dinheirinho, mas um outro maldito buraco levou pro chão a empresa que ele estava trabalhando e o seu emprego junto.
Eles foram lá na prefeitura, na câmara e até no fórum mas parece que não adiantou nada, pois esses malfadados buracos continuam levando as esperanças de muita gente.
Não bastando tudo isso, chego no meu prédio e o porteiro abre o portão chorando. Pergunto o que houve e ele me disse que o futebolzinho que ele tanto gosta também foi tragado por um buraco imenso.
Conclusão, acabaram fazendo algumas manifestações exigindo uma rápida providência quanto ao caso, mas não sei não...
Até onde tive notícias é que a solução que deram foi para jogar uma natinha de cimento em cima do problema.
Pelo tamanho dos buracos, acho que o caso é pra cimentão forte de secagem rápida, com muita brita e ferro grosso mesmo, ou não vai eliminar o problema de vez.     
É uma questão de urgência urgentíssima, pois esses buracos já estão atingindo todo lugar.
Conforme diz o caboclo; “credo-em-cruiz, assim não dá pra aguentá e nem prá esperá”.

       

Seguir por Email

Translate

Total de visualizações de página

Estatísticas