terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Suave penetrar



Um navegante experiente
Não necessita tão somente
Saber conduzir com segurança
Ou sequer mostrar pujança
Dizendo que nada o atormenta
Que nada teme
Quando seu navio avança
Em águas turbulentas
Ou próximo dos rochedos
Um navegante experiente
Necessita também saber apreciar
As delícias do mar
Conduzir a quilha de seu barco
Com suave penetrar
Nas ondas delicadas das marolas
Pelas águas quentes das noites de verão
E isso naturalmente o levará
A ser um apaixonante navegante



segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Ao apagar do abajur



Dorme a dormideira
ao toque suave do luar.
Dorme a criança
na segurança do colo a ninar.
Dorme o pai cansado
do dia duro de trabalho.
Dorme a mãe aflita
agora que toda família dorme.



sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Fiandeira do meu amor



Fios de todas as ideias
De modos e jeitos de ser
Fios de todos os sentimentos
De todas as lembranças
De todas as vivências
Um a um, todos bem tecidos
Bem trançados
Firmes e bem juntados
Resultam em uma vida
Bonita...
Gostosa de viver


quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Navegar


Nos momentos de alegria
Desejo que todos os dias
Sejam iguais em euforia

Nos momentos de dor
Desejo com fervor
Jamais passar por esse horror

Navegar no grande rio
Traz alegrias e calafrios
Destino dos navegantes...


segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Pessoas e peçonhas



Conheço pessoas felizes,
pessoas tristes
e tristes trastes de pessoinhas.

Conheço pessoas trabalhadoras,
que procuram trabalho
e que fogem do trabalho.

Conheço pessoas que prosperam,
que buscam prosperar
e que arruínam a prosperidade.





domingo, 14 de dezembro de 2014

Sofrido coração



Como livra-lo daquela raiva 
a invadir seu frágil coração?
Uma raiva maldita de força infinita.
Surge da faísca do desejo descumprido,
no curto pavio de um gosto desgostoso.
Atinge-lhe o paiol das amarguras guardadas,
sovadas, evitadas pelo diálogo que não vem.
Acumula-se a pólvora.
Favorece a implosão.
Favorece a explosão.
Aumenta a destruição.
Do coração do outro.
Do seu próprio coração.


terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Uma linda lição de amor


Pela terceira vez naquela semana Pedrinho estava atrasado e certamente iria ser advertido pela professora. Ele estudava numa pequena escola rural e sempre se distraia com as tantas coisas que via pelo caminho. Ou era num pé de goiaba que acabava subindo para se deliciar, ou eram os passarinhos que ele tentava imitar o canto, ou tantas outras coisas agradáveis.
Para evitar todo o aborrecimento que certamente iria ter com a professora, ganhava tempo cortando caminho passando por dentro do sítio do Seu Zé.
Naquela manhã ao se aproximar da casa do Seu Zé, percebeu que ele cuidava alegremente de sua horta.
Uma horta maravilhosa, com pezinhos de pimenta, pimentão, tomate, alface, couve, além de plantinhas de cheiro como tomilho, salsa, manjericão, alecrim, hortelã, orégano, cebolinha, cheiro verde e outras mais. Tudo aquilo conferia àquele espaço um tom inesquecível de beleza, frescor, cores e perfumes.  
Seu Zé estava tão entretido com a horta que nem percebeu quando Pedrinho tropeçou num galho seco, levou um tombo e deixou escapar um gemido de dor no joelho, que ficou todo ralado.
Conclusão, essa situação atrasou ainda mais Pedrinho, que ao chegar na escola, foi repreendido e recebeu um bilhete da professora para entregar aos pais.
Pedrinho mal conseguiu assistir a aula de tão furioso que ficou com aquela situação. Sua raiva era tão grande que para não sentir-se mal com seu próprio erro, resolveu colocar a culpa no coitado do Seu Zé, que não tinha nada com o caso.
Tão logo saiu da escola pensou: “vou passar de novo no Sítio do Seu Zé e vou dar-lhe o troco”.
Ao chegar lá sentiu o cheiro delicioso que vinha da horta do Seu Zé, que há pouco tinha sido regado.
Pedrinho ainda com aquela raiva no coração e também com um medo danado de ser pego fazendo malvadeza, deu uma corrida pela horta danificando alguns pezinhos daquelas lindas hortaliças. Depois saiu correndo, dando muita risada, rumo a sua casa.
Ao chegar em casa pensou mil vezes se entregava ou não o bilhete da professora para sua mãe porem, temendo as consequências ainda piores, acabou entregando.
Sua mãe leu atentamente o bilhete e disse-lhe:
- Pedrinho sua professora está me avisando que você é um menino educado, estudioso, que tira notas boas mas não tem chegado no horário correto. O que está havendo meu filho?
- São os passarinhos, as nuvens, as pedras e tantas outras coisas bonitas que vejo na estrada e acabo me distraindo e perdendo o horário mamãe.
- Realmente todas essas coisas são muito bonitas e devem mesmo serem vistas meu filho, porem vamos combinar o seguinte: você deverá sair mais cedo e assim dará tempo para tudo isso, sem perder a escola que também é muito importante.
Pedrinho mais do que depressa concordou feliz da vida.
Madrugada a dentro, todos dormiam profundamente, quando Pedrinho deu um imenso berro e acordou a todos de maneira assustadora.
Seus pais de imediato foram ao seu encontro acalmando-o. Pedrinho havia sonhado que tinha comido salada e que as plantinhas começaram a falar dentro da sua barriga, deixando-o apavorado.
Sua mãe explicou-lhe que todas as plantinhas que são colocadas na salada são para fazer bem para as pessoas e que jamais elas iriam querer assusta-lo. Isso foi o suficiente para Pedrinho acalmar-se e dormir tranquilo.
Conforme combinado Pedrinho saiu para escola bem cedinho e fez questão de passar na casa do Seu Zé. Encontrou-o novamente ajoelhado, cantando e cuidando de alguns pezinhos de pimentão. Percebeu que as plantinhas que tinha pisado já haviam sido replantadas.
Disse numa voz alegre:
- Bom dia Seu Zé!
Obteve também com alegria:
- Bom dia Pedrinho, está indo para a escola?
- Estou sim, mas antes queria dizer para o senhor que sonhei com as suas plantinhas. Contou-lhe o sonho que teve.
Seu Zé, entendendo tudo que na realidade havia se passado disse-lhe:
- Sabe Pedrinho há muito tempo atrás, quando eu era um garoto do seu tamanho eu tive um sonho igualzinho ao seu. Também fiquei muito assustado e, assim como no seu caso, meus pais também conversaram comigo. Me disseram as mesmas coisas que seus pais te disseram, e que se eu cuidasse com bastante alegria e carinho das plantinhas elas seriam minhas protetoras, igual “anjinhos da guarda” só que em vez de vir lá do céu vem de vários outros lugares. Alguns vem das aguas do mar, dos rios e lagos e são muito parecidos com os peixinhos, outros das florestas e se parecem com passarinhos e bichinhos, e todos são nossos protetores.
Está vendo porque eu canto tão feliz? Porque cuido direitinho.
Pedrinho deu um sorriso, um abraço no Seu Zé e foi para a escola com um novo propósito de cuidar de todos esses “anjinhos da guarda”.


Seguir por Email

Translate

Total de visualizações de página

Estatísticas