sexta-feira, 13 de março de 2015

O pau de arara não morreu



O pau de arara não morreu
Poucos privilegiados na boleia
A maioria na carroceria
Mas como sempre, comendo pó

A viagem é dura
A estrada não perdoa os frágeis
Só os fortes e insistentes chegam lá
Sovando a bunda, calejando a alma

Sonhando com comovente alegria
Por mudanças na história
Seguem com a tutameia da vida
Na carroceria do macabro caminhão

A boleia sofisticou
Tem banco de couro e ar condicionado
A carroceria também mudou
Há mais espaço, e se não houver se cria

As que não aguentam, morrem
São descartadas inclusive das estatísticas
As que sobrevivem, se espremem
E são alimentadas por histórias engraçadas

Contos que geram esperanças e expectativas
Mas sempre mal contadas
Distorcidas e alteradas
Suporte por anos, a seus dias de migalhas

A carroceria agora virou fila de hospital
Atendimento nas macas
Virou promessas de campanha eleitoral
Juros e preços altos

Enchentes, deslizamentos levando gente
Apertos no metrô e assaltos na lotação
Virou também milhares sem casa
Tantas outras entregues que ficarão trincadas

Virou desemprego e desilusão
Enfim...muita gente nos banquinhos do centro
Nas grades penduradas, até mesmo em cima dos pneus
Mas no mesmo terror de caminhão


Seguir por Email

Translate

Total de visualizações de página

Estatísticas